Textos de teoria, história e análise do conto de fadas (em português)

Contos de fadas e literatura infantil

Contos de fadas de autores diversos (Oscar Wilde, Lewis Carroll, etc.)

As mil e uma noites

Monteiro Lobato

 

Contos de fadas e literatura infantil

ALMEIDA, Renato. Literatura infantil. In: COUTINHO, Afrânio (Dir.). A literatura no Brasil. 3. ed. rev. e aum. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora / Niterói: EDUFF, 1986. v. 6, p. 200-222.

AMARILHA, Marly. Estão mortas as fadas? Literatura infantil e prática pedagógica. Petrópolis: Vozes; Natal: EDUFRN, 1997.

ARRIGUCCI, Davi. Jr. Alice para adultos. In: ___. Outros achados e perdidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p. 141-144.

ARROYO, Leonardo. Literatura infantil brasileira. São Paulo: Melhoramentos, 1968.

ARROYO, Leonardo. Literatura infantil brasileira. 3.ed. rev. e ampl. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

ARROYO, Leonardo. Literatura infantil. In: MOISÉS, Massaud, PAES, José Paulo (Org.). Pequeno dicionário de literatura brasileira. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cultrix, 1987. p. 192-195.

BAREL, Ana Beatriz de. Análise de diferentes versões de contos populares. 1995. Dissertação (Mestrado em Teoria e História Literária) – IEL, Universidade Estadual de Campinas.

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. Trad. Arlene Caetano. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

BRAGA, Teófilo. Da novelística popular. In: ___. Contos tradicionais do povo português. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1987. v. 1, p. 31-79.

___. Literatura dos contos populares em Portugal. In: ___. Contos tradicionais do povo português. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1987. v. 2, p. 15-66.

BRANDÃO, Adelino. A presença dos irmãos Grimm na literatura infantil e no folclore brasileiro. São Paulo: Ibrasa, 1995 (Biblioteca Literatura e Arte, 75).

BRAVO-VILLASANTE, Carmen. História da literatura infantil universal. Tradução de Manuel Campos e Alexandra de Freitas. Lisboa: Vega, 1977. 2 v.

BREMOND, Claude. A lógica dos possíveis narrativos. In: BARTHES et al. Análise estrutural da narrativa. Tradução de Maria Zélia Barbosa Pinto. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1972. (Novas Perspectivas de Comunicação, 1). p. 110-135.

BURKE, Peter. Cultura popular na Idade Moderna. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

BUSATTO, Cléo. Contar e encantar: Pequenos segredos da narrativa. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

CAGNETTI, Sueli de Souza. As constantes narrativas em “Cinderela” e “Pele de asno”. Fragmentos. Revista de Língua e Literatura Estrangeiras. Santa Catarina (UFSC), v. 1, n. 1, p. 271-286, jan. 1986.

CALVINO, Italo. Introdução. In: ___. Fábulas italianas. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 9-43.

CAMBI, Franco. A educação do imaginário: o romance, o teatro e a literatura infantil. In: ___. História da Pedagogia. Tradução Álvaro Lorencini. 3. reimpressão. São Paulo: Editora Unesp, 1999. p. 311-315.

CANTON, Katia. Os contos que brotam nas florestas; Na trilha dos Irmãos Grimm. São Paulo: Difusão Cultural do Livro, 1997.

CANTON, Katia. E o príncipe dançou: o conto de fadas, da tradição oral à dança contemporânea. Tradução de Cláudia Sant’Ana Martins. São Paulo: Ática, 1994.

CARVALHO, Bárbara Vasconcelos de. A literatura infantil; Visão histórica e crítica. 4. ed. São Paulo: Global Editora, 1985. (Série Crítica e Teoria Literária).

CASCUDO, Luís da Câmara. Prefácio. In: ___. Contos tradicionais do Brasil. São Paulo: Global, 2000. p. 11-23.

CASHDAN, Sheldon. Os sete pecados capitais nos contos de fadas: Como os contos de fadas influenciam nossas vidas. Tradução de Maurette Brandt. Rio de Janeiro: Editora Campos, 2000.

COELHO, Adolfo. Prefação. In: ___. Contos populares portugueses. Introdução de Ernesto Veiga de Oliveira. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1985. p. 41-75.

COELHO, Nelly Novaes. O conto de fadas. São Paulo: Ática, 1987. (Série Princípios, 103).

___. Panorama histórico da literatura infantil juvenil; Das origens indo-européias ao Brasil contemporâneo. 4. ed. rev. São Paulo: Ática, 1991.

___. Literatura infantil brasileira; Teoria, análise, didática. 6. ed. rev. São Paulo: Ática, 1997.

___. O conto de fadas – símbolos, mitos, arquétipos. São Paulo: DCL, 2003.

CORDEIRO, Rafaela Queiroz Ferreira. O universo simbólico do conto de fada russo “Os três reinos”. In: SENA, André de (Org.). Literatura fantástica e afins. Recife: Editora Universitária UFPE, 2012. p.187-202.

CORTEZ, Maria Teresa. Os contos de Grimm em Portugal. A recepção dos Kinder- und Hausmärchen entre 1837 e 1910. Coimbra: MinervaCoimbra; Centro Universitário de Estudos Germanísticos; Universidade de Aveiro; 2001.

DARNTON, Robert. Histórias que os camponeses contam: O significado de Mamãe Ganso. In: ___. O grande massacre de gatos e outros episódios da história cultural francesa. Trad. Sonia Coutinho. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1986. (Biblioteca de História, 13). p. 21-101.

DIECKMANN, Hans. Contos de fadas vividos. São Paulo: Edições Paulinas, 1986.

DINE, Madalena Jorge; FERNANDES Marina Sequeira. Para uma leitura dos contos tradicionais portugueses. Lisboa: Editorial Presença, 1999. (Textos de Apoio, 90).

DISCINI, Norma. Intertextualidade e conto maravilhoso. São Paulo: Humanitas / FFLCH-USP, 2002.

D'ONOFRIO, Salvatore. Conto popular ou maravilhoso. In: ___. Teoria do texto 1 - Prolegômenos e teoria da narrativa. São Paulo: Ática, 1995. p. 110-112.

DUNDES, Alan. Morfologia e estrutura no conto folclórico. Tradução de Lúcia Helena Ferraz, Francisca Teixeira e Sérgio Medeiros. São Paulo: Perspectiva, 1996. (Debates, 252).

ECO, Umberto. História das terras e lugares lendários. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2013.

ELIADE, Mircea. Os mitos e os contos de fadas. In: ___. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1972. (Debates, 52). p. 167-175.

ESTÉS, Clarissa Pínkola. O dom da história: Uma fábula sobre o que é suficiente. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

___. Mulheres que correm com os lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. [É um livro na linha da “Auto ajuda”]

FERREIRA, Jerusa Pires. A princesa que não ria. In: MATOS, Edilene et al. A presença de Castello. São Paulo: Humanitas / FFLCH-USP, 2003. p. 401-406.

FILIPOUSKI, Ana Mariza Ribeiro. Um espaço de hesitação da narrativa infantil: o narrador em busca de diálogo com o leitor. In: ZILBERMAN, Regina et al. Clarice Lispector; A narração do indizível. Porto Alegre: Ed. Artes e Ofícios / Editora da PUCRS, 1998. p. 129-144.

FRANZ, Marie Louise von. O significado psicológico dos motivos de redenção nos contos de fadas. São Paulo: Cultrix, 1980.

___. A sombra e o mal nos contos de fadas. São Paulo: Edições Paulinas, 1985.

___. A individuação nos contos de fadas. São Paulo: Edições Paulinas, 1985.

___. O feminino nos contos de fadas. São Paulo: Edições Paulinas, 1985.

___. A interpretação dos contos de fada. 3. ed. Trad. Maria Elci Spaccaquerque Barbosa. São Paulo: Paulus, 1990. (Amor e Psique).

FUNCK, S. B.; PEREIRA, A. E. Discurso parodístico de contos de fadas. Gragoatá - Revista do Instituto de Letras da UFF. Niterói, RJ, v. 5, p. 179-192, 1998.

GARDNER, Martin. Introdução. In: CARROLL, Lewis. Aventuras de Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho. Edição comentada. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

GENS FILHO, Armando Ferreira. Retratos de fadas e bruxas. Soletras, Rio de Janeiro, v. 1, p. 50-55, 2001.

GÓES, Lúcia Pimentel. Eros e Psique: Passagem pelos portais da metamorfose. São Paulo: Humanitas; Paulinas, 2007.

GUERREIRO, M. Viegas. Para a história da literatura popular portuguesa. s.l.: Instituto de Cultura Portuguesa, 1978. (Biblioteca Breve – Série Literatura, 19).

HAIML, Luiz Francisco. Os dois lados do espelho; a representação da bruxaria nos contos de Grimm. Dissertação de Mestrado defendida em 1996 junto à Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

JOLLES, André. O conto. In: ___. Formas simples. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 1976. p. 181-204.

KRAEMER, Maria Luiza. Histórias infantis e o lúdico encantam as crianças. Editora Autores Associados: Campinas, SP, 2008. (Coleção Formação de Professores).

LAJOLO, Marisa. No reino do livro infantil. In: ZILBERMAN, Regina (Org.). Os preferidos do público; Os gêneros da literatura de massa. Petrópolis: Vozes, 1987. (Debates Culturais, 4). p. 52-64.

LAJOLO, Marisa, ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil brasileira; História e histórias. 4. ed. São Paulo: Ática, 1988. (Série Fundamentos, 5).

LEAL, José Carlos. A natureza do conto popular. Rio de Janeiro: Conquista, 1985.

LEONEL, Maria Célia, NASCIMENTO, Edna M. F. S. O amor tudo vence: invariantes e variantes na narrativa. Itinerários. Araraquara, v. 20, p. 119-131, 2003. [Estudo baseado na teoria de Greimas e que analisa “Cinderela”, de Perrault, em contraposição com os filmes “Sabrina” e “Uma linda mulher” e o conto “Orientação” (Tutaméia) de Guimarães Rosa]

MAGALHÃES JR., Raimundo. O conto de muitos donos. In: ___. A arte do conto; Sua história, seus gêneros, sua técnica, seus mestres. Rio de Janeiro: Bloch Editores, 1972. p. 93-114.

MARINHO, Carolina. Poéticas do maravilhoso no cinema e na literatura. Belo Horizonte: Editora PUC Minas; Autêntica Editora, 2009.

MEDEIROS, Fátima Ribeiro de. Do fruto à raiz: Uma introdução às "Histórias maravilhosas da tradição portuguesa" recolhidas e recontadas por Ana de Castro Osório. Prefácio de Isabel Cardigos. Canelas: Gailivro, 2003. (Colecção Ensaios).

MEIRELES, Cecília. Problemas da literatura infantil. Belo Horizonte, 1951.

MELLO, Ana Maria Lisboa. O enfrentamento do mal nos contos de fadas. Humanidades: nacional ou sobrenatural. UNB, v.9, n.1, 1993.

MENDES, Mariza. Em busca dos contos perdidos; O significado das funções femininas nos contos de Perrault. São Paulo: Editora da UNESP / Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2000.

MEREGE, Ana Lúcia. Os contos de fadas: Origens, história e permanência no mundo moderno. São Paulo: Claridade, 2010. (Saber de Tudo).

MICHELLI, Regina Silva; CRAVEIRO, Luciana Viegas. A fada nos fios da literatura infantil. In: BOTELHO, José Mário. (Org.). Estudos reunidos: linguagem, literatura e estilística. Rio de Janeiro: Botelho, 2006. p. 27-40.

MICHELLI, Regina Silva. Literatura Infanto-Juvenil: perspectivas no ensino superior. In: SANTOS, Leonor W. et al. (Org.). Encontro de Literatura Infantil e Juvenil: leitura e crítica. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; Faculdade de Letras, 2008. p. 1-14.

MIELIETINSKI, E. M. A poética do mito. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

MOURA, Magali; CAMBEIRO, Delia (Org.) Magias, encantamentos e metamorfoses: Fabulações modernas e suas expressões no imaginário contemporâneo. Rio de Janeiro: De Letras, 2013.

NASCIMENTO, Bráulio do. Catálogo do conto popular brasileiro. Rio de Janeiro: IBECC / Tempo Brasileiro / UNESCO, 2005.

NUNES, Cassiano. A literatura infantil. In: ___. Novos estudos sobre Monteiro Lobato. Brasília: Editora da UnB, 1998. p. 215-275.

OLIVEIRA, Ernesto Veiga de. Introdução. In: COELHO, Adolfo. Contos populares portugueses. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1985. p. 13-39.

PAVONI, Amarilis. Os contos e os mitos no ensino. São Paulo: EPU, 1989.

PEDROSO, Consiglieri. Introdução: Significação e importância dos contos populares. In: ___. Contos populares portugueses. São Paulo: Editora Landy, 2001. p. 11-35.

PROPP, Vladimir. Morfologia do conto maravilhoso. Trad. Jasna Paravich Sarhan. Organização e prefácio de Boris Schnaiderman. Inclui “O estudo tipológico-estrutural do conto maravilhoso”, de E. M. Meletínski, e “Polêmica Propp-Lévi-Strauss” traduzidos por Lúcia Pessoa da Silveira. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1984. [Tradução brasileira].

___. Morfologia do conto. Trad. Jaime Ferreira e Victor Oliveira. 2. ed. Lisboa: Vega, s/d. [Tradução portuguesa].

___. As transformações dos contos fantásticos. In: EIKHENBAUM, B. et al. Teoria da literatura; Formalistas russos. Trad. Ana Mariza Ribeiro, Maria Aparecida Pereira, Regina Zilberman, Antônio Carlos Hohlfeldt. Porto Alegre: Globo, 1971. p. 245-267.

___. Raízes históricas do conto maravilhoso. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

RADINO, Glória. Contos de fadas e realidade psíquica: a importância da fantasia no desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

RIBEIRO, Maria Goretti. O imaginário da bruxa no conto popular. In: SANTOS, Josalba Fabiana dos; GOMES, Carlos Magno; CARDOSO, Ana Leal (Org.). Sombras do mal na literatura. Maceió: Editora UFAL, 2010. p. 227-245.

ROCHA, Natércio. Breve história da literatura para crianças em Portugal. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1984. (Biblioteca Breve, 97).

ROMERO, Sílvio. Estudos sobre a poesia popular do Brasil. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1977. (Coleção Dimensões do Brasil, 8).

SALEM, Nazira. História da literatura infantil. São Paulo: Mestre Jou, 1970.

SIMONSEN, Michèle. O conto popular. Trad. Luis Claudio de Castro e Costa. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

SOSA, Jesualdo. A literatura infantil. Trad. James Amado. 9. ed. São Paulo: Cultrix, 1993.

SOUZA, Angela Leite de. Contos de fada: Grimm e a literatura oral no Brasil. Belo Horizonte: Editora Lê, 1996. (Coleção Apoio).

SOUZA, Loide Nascimento de. A fábula no caminho da literatura infantil. Revista da ANPOLL. Brasília, v. 23, p. 151-170, 2007.

SOUZA, Ruth Villela Alves de. Presença dos autores alemães nos livros infantis brasileiros. Rio de Janeiro: Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, 1979.

TODOROV, Tzvetan. O estranho e o maravilhoso. In: ___. Introdução à literatura fantástica. Trad. Maria Clara Correa Castello. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1975 (Coleção Debates, 98). p. 47-63.

TRAÇA, Maria Emília. O fio da memória; Do conto popular ao conto para crianças. Prefácio de Georges Jean. 2. ed. Porto: Porto Editora, 1998. (Coleção Mundo de Saberes, 3).

TRUSEN, Sylvia Maria. Das Märchen vom Schlauraffenland, ou a História de um País de Monos e Loucos. Brathair. Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 89-94, 2006.

TRUSEN, Sylvia Maria. Do veto à alteridade: nas sendas do conto dos Grimm. Brathair. Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 65-72, 2005.

TRUSEN, Sylvia Maria. Do motivo da falsa noiva ao tema da inveja: uma leitura comparada entre três contos dos Irmãos Grimm. Brathair. Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 96-113, 2005.

VENTURA, Susana Ramos. Entre lendas e rendas: algumas reflexões sobre os contos de fadas de Marina Colasanti. In: CANIATO, Benilde Justo; GUIMARÃES, Elisa (Org.). Linhas e Entrelinhas: Homenagem a Nelly Novaes Coelho. São Paulo: Editora Casemiro, 2003.

VOLOBUEF, Karin. Um estudo do conto de fadas. Revista de Letras. São Paulo (UNESP), v. 33, p. 99-114, 1993.

___. Frestas e arestas: A prosa de ficção do Romantismo na Alemanha e no Brasil. São Paulo: Editora da UNESP, 1999. (Coleção Prismas). p. 50-70.

___. Os irmãos Grimm: entre a magia e a erudição. In: GARCIA Flávio et al. (Org.). Anais do VII Painel Reflexões sobre o Insólito na narrativa ficcional / II Encontro Nacional O Insólito como Questão na Narrativa Ficcional: “Insólito, Mitos, Lendas, Crenças” - Conferências. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2011. p. 12-23. Disponível em: http://www.dialogarts.uerj.br/arquivos/vii_painel_ii_enc_nac_confer.pdf .

___. Contos dos Grimm: herança do folclore, matéria filológica, criação literária. In: MOURA, Magali; CAMBEIRO, Delia (Org.) Magias, encantamentos e metamorfoses: Fabulações modernas e suas expressões no imaginário contemporâneo. Rio de Janeiro: De Letras, 2013, p. 15-31.

___. Os Irmãos Grimm e as raízes míticas dos contos de fadas. In: VOLOBUEF, Karin; ALVAREZ, Roxana Guadalupe Herrera; WIMMER, Norma. (Org.). Dimensões do fantástico, mítico e maravilhoso. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011. (Série Estudos Literários, 10). p.47-61.

WARNER, Marina. Da fera à loira: sobre contos de fadas e seus narradores. Tradução Thelma Médici Nóbrega. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ZILBERMAN, Regina, MAGALHÃES, Lígia Cademartori. Literatura Infantil: autoritarismo e emancipação. São Paulo : Ática, 1982.

 

Contos de fadas de autores diversos ("Kunstmärchen"), fábulas, Fantasy, etc. – em várias literaturas, inclusive do Brasil

ARRIGUCCI, Davi. Jr. Alice para adultos. In: ___. Outros achados e perdidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. p. 141-144.

ARROYO, Leonardo. A cultura popular em “Grande Sertão: Veredas”. Rio de Janeiro: José Olympio, 1984.

BRANDÃO, Roberto de Oliveira. O mito épico na ficção brasileira. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo, v. 34, p. 139-148, 1992.

CAREL, Marion. Análise argumentativa de uma fábula de La Fontaine. Letras de Hoje. Porto Alegre (PUC-RS), v. 43, n. 1, p. 19-26, 2008. [Também pode ser acessado on-line: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/viewFile/2866/2162 ]

CARTER, Lin. O senhor do Senhor dos Anéis: o mundo de Tolkien. Tradução de Alves Calado. Rio de Janeiro: Record, 2003.

GARDNER, Martin. Introdução. In: CARROLL, Lewis. Aventuras de Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho. Edição comentada. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

GREGGERSEN, Gabriele. Filologia e literatura: trocando idéias com Tolkien e Lewis. Todas as Letras. São Paulo (Mackenzie), v. 5, p. 65-74, 2003.

KYRMSE, Ronald. Explicando Tolkien. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARTINS, Maria Cristina. O conto de fadas nos olhares de Marina Colasanti e Margaret Atwood: "Entre as folhas do verde O" e "Bluebeard's Egg". In: DINIZ, Dilma Castelo Branco et al. (Org.). Brasil-Canadá: olhares diversos. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2006. p. 137-154.

MARTINS, Maria Cristina. Histórias que nossas mães não nos contaram: o revisionismo feminista dos contos de fadas. Em Tese. Belo Horizonte, v. 10, p. 157-163, 2006.

MARTINS, Maria Cristina. Desrespeitando fronteiras: releituras de contos de fadas em “The Bloody Chamber”, de Angela Carter. Letras & Letras, v. 23, p. 179-187, 2007.

MENDES, Mariza. Em busca dos contos perdidos; O significado das funções femininas nos contos de Perrault. São Paulo: Editora da UNESP / Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2000.

MIGLIORINI, Walter José Martins. A imagem do pássaro no conto "O Rouxinol e a rosa", de Oscar Wilde. Itinerários. Revista da Faculdade de Ciências e Letras. Araraquara (UNESP), v.8, p.185-198, 1995.

MOTTA, Sérgio Vicente. “Seqüência”: a viagem do eterno retorno a uma paisagem mítica. Revista de Letras. São Paulo, v. 39, p. 65-82, 1999.

NASCIMENTO, Evando Batista. Destramando o texto: leitura de "Eros e Psique", de Fernando Pessoa. Itinerários. Araraquara, v. 20, 2002. [o texto analisa o poema "Eros e Psique" (Fernando Pessoa) fazendo um paralelo com "A Bela Adormecida no Bosque" (Charles Perrault)]

PETRY, Franciele Bete. Ondina: a eternidade e efemeridade do amor. Mafuá: Revista de Literatura em Meio Digital. Florianópolis, v.10, 2008. Disponível em: http://www.mafua.ufsc.br/numero10/ensaios/petry.htm .

RETTENMEIER, Miguel; JACOBY, Sissa (Org.) Além da plataforma nove e meia: pensando o fenômeno Harry Potter. Passo Fundo: UPF, 2005.

SIMÕES, I. G. Guimarães Rosa: as paragens mágicas. São Paulo: MCT/CNPq/Perspectiva, s.d.

SPERBER, Suzi Frankl. O mito na literatura: S. Bernardo, de Graciliano Ramos e o conceito de “recapitulação” - ou, os dentes do mito. Lusorama. v. 1, n. 5, p. 323-341, 1998.

VASCONCELLOS, Marcio Simão de. O canto de Aslam. Uma abordagem do mito na obra de C. S. Lewis. São Paulo: Editora Reflexão, 2010.

VOLOBUEF, Karin. Um estudo do conto de fadas. Revista de Letras. São Paulo (UNESP), v. 33, p. 99-114, 1993.

ZAMUNER, José Alaércio. Tradição oral e literatura acadêmica: a recuperação do narrador. In: BOSI, Viviana et al. (Org.) Ficções: leitores e leituras. Cotia: Ateliê, 2001. p. 11-39.

 

As mil e uma noites

 

BORGES, Jorge Luis. As Mil e Uma Noites. In: ___. Obras Completas. Revisão das traduções por Jorge Schwartz e Maria Carolina de Araújo. São Paulo: Globo, 1999. v. 3, p.256-268.

COELHO, Nelly Novaes. A Narrativa Primordial. In: ___. Panorama histórico da literatura infantil/juvenil: Das origens indo-européias ao Brasil contemporâneo. 4. ed. rev. São Paulo: Ática, 1991.

GOMES, Purificacion B. O método terapêutico de Scheerazade. São Paulo: Iluminuras, 2000.

JAROUCHE, Mamede Mustafa. Tribulações do terceiro xeique: duas versões de um conto das mil e uma noites. Revista USP. São Paulo, n. 31, p. 142-149, set./nov. 1996.

MACHADO DE ASSIS, Joaquim Maria. Carlos Jansen: Contos seletos das Mil e Uma Noites. In: ___. Obra completa 3 (Poesia, crítica, crônica, epistolário). Rio de Janeiro: Ed. Nova Aguilar, 1997. p. 917-919.

MENESES, Adélia Bezerra de. Scherazade ou do poder da palavra. In: ______. Do poder da palavra: Ensaios de Literatura e Psicanálise. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

NABHAN, Neuza Neif. As Mil e uma Noites e o saber tradicional: das narrativas árabes à literatura popular brasileira. 1990. Tese de livre-docência, São Paulo, USP.

SENA, André de (Org.). Literatura fantástica e orientalismo. Recife: Editora Universitária UFPE, 2013.

TODOROV, Tzvetan. Os homens-narrativa. In: ___. As estruturas narrativas. Trad. Leyla Perrone-Moysés. São Paulo: Perspectiva, 1969. (Debates, 14). p. 119-133.

WAJNBERG, Daisy. Jardim de Arabescos: Uma leitura das “Mil e Uma Noites”. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

WERNECK. Mariza Martins Furquim. O livro das noites: memória, escritura, melancolia, erótica. 1992. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

___. Harém . Revista Ventura. Rio de Janeiro, v. 29, p. 32-43, 1999.

___. Noites sem fim . Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, Caderno Idéias. p.06-08, 1990.

 

 

Monteiro Lobato

 

ALVAREZ, Reynaldo. Monteiro Lobato, escritor e pedagogo. Rio de Janeiro: Edições Antares; Brasília: INL, Fundação Nacional Pró-memória, 1982.

BERTUCCI, Maria Adelaide. Viagem ao país do inconsciente: psicanálise e literatura em Monteiro Lobato. In: BUENO-RIBEIRO, Eliana. Literatura comparada / Teoria da literatura. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1993. (Biblioteca Tempo Universitário, 114/115).

CAMPOS André Luiz Vieira de. A República do Picapau Amarelo; Uma leitura de Monteiro Lobato. São Paulo: Martins Fontes, 1986. (Coleção Leituras).

LAJOLO, Marisa. Monteiro Lobato. São Paulo: Abril Educação, 1981.

LAJOLO, Maria & CECCANTINI, João Luís. (Org.). Monteiro Lobato livro a livro. São Paulo: Editora Unesp e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: 2008.

LOPES, Eliane Marta Teixeira, GOUVÊA, Maria Cristina Soares de. (Org.) Lendo e escrevendo Lobato. Belo Horizonte: A Autêntica, 1999.

LUCAS, Fábio. Aspectos literários de Monteiro Lobato. In: ___. Do Barroco ao Moderno: Vozes da literatura brasileira. Ensaios. São Paulo: Ática, 1989.

MELLO, Ana Maria Lisboa. A chave do tamanho: a instauração de uma nova ordem. Letras de hoje. PUC/RS, n.43, p.67-74, 1981.

MERQUIOR, José Guilherme. A lição de Lobato. In: ___. O elixir do apocalipse. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983. p. 92-96.

MICHELLI, Regina S. A fábula em Monteiro Lobato, tradição e ruptura. Leitura Leituras. Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 69-82, 1998.

NUNES, Cassiano. Novos estudos sobre Monteiro Lobato. Brasília: Editora da UnB, 1998.

PENTEADO, J. Roberto Whitaker. Os filhos de Lobato: O imaginário infantil na ideologia do adulto. Rio de Janeiro: Qualitymark / Dunya Editora, 1997.

TRUSEN, Sylvia Maria. Os contos de Grimm no Sítio do Picapau Amarelo: Tradução e recepção. Moara, v. 29, p. 167-184, 2008.

VARGAS, Maria Valíria Aderson de Mello. Reflexos da fábula indiana nos textos de Monteiro Lobato. Magma. São Paulo (USP), v. 2, p. 74-87, 1995.

ZILBERMAN, Regina, (Org.). Atualidade de Monteiro Lobato: uma revisão crítica. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983. (Novas Perspectivas, 8).

 

 

Coletâneas de contos de fadas

Textos de teoria, história e análise do conto de fadas (em várias línguas)

Folclore e mito

 

Voltar à Página de Contos de fadas

Voltar à Página Inicial