Make your own free website on Tripod.com

BIBLIOGRAFIA SOBRE THOMAS MANN

Voltar à Página Inicial

 

BARBOSA, João Alexandre. Uma antologia de Thomas Mann. In: ___. Entre livros. Cotia: Ateliê Editorial, 1999.

BRADBURY, Malcolm. Thomas Mann. In: ___. O mundo moderno; Dez grandes escritores. Tradução de Paulo Henriques Britto. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. p. 97-117.

BRADBURY, Malcolm, MCFARLANE, James (Org.). Modernismo; Guia geral 1890-1930. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

CALDAS, Pedro Spinola Pereira. Imagens da espera: um ensaio sobre as representações da morte em Thomas Mann. Matraga – Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras. Rio de Janeiro (Editora Caetés), v. 18, p. 123-151, 2006.

CARPEAUX, Otto Maria. O admirável Thomas Mann. In: ___. A cinza do purgatório; Ensaios. Casa do estudante Brasileiro, 1942. p. 332-344.

CHACON, Vamireh. Thomas Mann e o Brasil. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975. (Temas de Todo Tempo, 18).

COUTINHO E CASTRO, José. Thomas Mann; Ensaios. Lisboa: Livros Horizonte, 1982. (Horizonte Universitário, 32).

DORNBUSCH, Claudia Sibylle. Aspectos interculturais da recepção de Thomas Mann no Brasil. 1992. Dissertação (Mestrado em Letras) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

___. Um pouco sobre "As confissões do impostor Felix Krull". A expressão da modernidade no século XX; Anais da VIII Semana de Literatura Alemã. Org. Ruth Röhl. São Paulo (FFLCH-USP), p. 51-62, 1996.

FLEISCHER, Marion et al. Textos e estudos de literatura alemã. São Paulo: Edusp/ Difusão Européia do Livro, 1968. [[Estudos sobre Thomas Mann; Friedrich Dürrenmatt; Gottfried Benn; Franz Kafka]]

FONTANELLA, Marco Antonio Rassolin. A Montanha Mágica como Bildungsroman. 2000. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas.

GAY, Peter. Realidade e ficção na literatura de Charles Dickens, Gustave Flaubert e Thomas Mann. Tradução de Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

HAMILTON, Nigel. Os irmãos Mann; As vidas de Heinrich e Thomas Mann. Tradução de Raimundo Araújo. São Paulo: Paz e Terra, 1985. (Coleção Testemunhos, 5).

HEISE, Eloá. Thomas Mann: um clássico da modernidade. Revista de Letras. Curitiba (UFPR), v. 39, p. 239-246, 1990.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Thomas Mann e o Brasil. In: ___. O espírito e a letra. Org. introd. e notas Antônio Arnoni Prado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, v. 1, p. 251-256.

LEPENIES, Wolf. Alemanha. In: ___. As três culturas. Trad. Maria Clara Cescato. São Paulo: Edusp, 1996. (Ponta, 13). p. 199-343. [[Comenta: W. H. Riehl, Stefan George, Georg Simmel, Max Weber, Thomas Mann, Nacional-socialismo]]

MANN, Thomas. A gênese do doutor Fausto. Tradução de Ricardo F. Henrique. São Paulo: Mandarim, 2001.

MARCHEZAN, Luiz Gonzaga. Uma novela, um filme, o amor e a morte em Veneza. In: LEONEL, Maria Célia; GOBBI, Márcia (Org.) Modalidades da narrativa. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013, p. 93-111.

MIELIETINSKI, E. M. A antítese: Joyce e Thomas Mann. In: ___. A poética do mito. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987. p. 354-404.

MOURÃO-FERREIRA, David. Do humanismo à omnisciência narrativa na obra de Thomas Mann. Colóquio Letras. Lisboa, v. 27, p. 13-19, set. 1975.

ORGANON. Revista do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, v. 6, n. 19 (O pacto fáustico e outros pactos), 1992. [[Trata de várias versões literárias do pacto de Fausto e outros pactos (inclusive de Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa), focalizando especialmente o Doutor Fausto, de Thomas Mann).

OTTE, Georg. A ironia em de Thomas Mann. Revista do Departamento de Letras Germânicas da Faculdade de Letras UFMG. Belo Horizonte, v.10, p. 22-29, 1989.

PIMENTA, Olímpio. Nietzsche, Thomas Mann e a superação do niilismo. In: AZEREDO, Vânia Dutra de (Org.). Caminhos percorridos e terras incógnitas. Ijuí: Editora da UNIJUÍ, 2004. p. 161-171.

PRATER, Donald. Thomas Mann – uma biografia. Trad. Luciano Trigo. Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 2000.

RÖHL, Ruth. Traço estilístico em Thomas Mann. Revista de Letras. Curitiba (UFPR), v. 39, p. 227-237, 1990.

ROSENFELD, Anatol. Texto / contexto. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1976 (Debates, 76). [[de modo geral, o texto trata de toda a obra de Thomas Mann, mas é dada ênfase a Confissões do impostor Felix Krull e A montanha mágica]]

___. Thomas Mann. São Paulo: Perspectiva / Edusp; Campinas: Edunicamp, 1994. (Debates, 259).

___. Letras e leituras. São Paulo: Perspectiva / Edusp; Campinas: Edunicamp, 1994. (Debates, 260). [[O artigo "À procura do mito: notas sobre a crise do romance psicológico" comenta a transição de autores como Thomas Mann e Hermann Hesse do romance psicológico para textos com temática mítica]]

SCHWARZ, Roberto. “Grande-Sertão” e “Dr. Faustus”. In: ______. A sereia e o desconfiado: Ensaios críticos. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981. (Coleção Literatura e Teoria Literária, 37). p. 43-51.

SILVA, Sônia Maria Oliveira. "Crede + Mi": uma reconstrução de Mann. Olhar. São Carlos (UFSCAR), v. 4, n. 7, p. 87-92, 2002. [[Sobre uma adaptação teatral de O eleito, chamada Crede + Mi (1996)]]

SOETHE, Paulo Astor. Ethos, corpo e entorno. Sentido ético da conformação do espaço em Der Zauberberg e Grande sertão: veredas. 1999. Tese (Doutorado em Letras) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

___. Proximidade e distância: o Onde de Guimarães Rosa e Thomas Mann. Magma. São Paulo (Humanitas/USP), v. 5, p. 57-71, 1998.

___ . Thomas Mann e Guimarães Rosa. In: KESTLER, Izabela Furtado et. al. (Org.). Estudos anglo-germânicos em perspectiva. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras da UFRJ, 2002, p. 29-41.

SOUKI, Léa. Submissão e revolta em Mário e o mágico, de Thomas Mann. In: GUIMARÃES, Euclides et al. Os deuses e os monstros. Apresentação Haroldo Marques. Belo Horizonte: A Autêntica, 2001. (Coleção Convite ao Pensar), p. 71-83.

THEODOR, Erwin. Temas alemães. São Paulo: Conselho Estadual de Cultural / Comissão de Literatura, 1965. (Ensaio, 41). [[Sobre Tonio Kröger e A morte em Veneza]]

___. O universo fragmentário. Trad. Marion Fleischer. São Paulo: Ed. Nacional / Edusp, 1975. (Biblioteca Universitária; Série 5ª: Letras e Lingüística, 11). [[Estudos acerca de vários autores, inclusive Thomas Mann]]

___. Perfis e sombras; Estudos de literatura alemã. São Paulo: EPU, 1990.

WISCHMANN, Christine, CHRISTMANN, Karin. Pólos opostos: Thomas Mann e Heinrich Mann. Revista Letras. Curitiba (UFPR), v. 24, p. 97-109, dez. 1975.

 

 

Voltar à Página de Bibliografia sobre Literatura, Língua e História Alemã

 

Voltar à Página Inicial