Make your own free website on Tripod.com

ESCOLAS E MOVIMENTOS LITERÁRIOS

 

BENJAMIN, Walter. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão. São Paulo: Iluminuras.

BARBOSA, Maria Aparecida. Fragmento no Romantismo Alemão, na literatura brasileira e em Borges - a partir do ensaio. Fragmentos. Florianópolis-SC, v. 18, p. 57-70, 2000.

BARRENTO, João (sel.). Expressionismo alemão; Antologia poética. Lisboa: Ática Sarl, 1976. (Selo Universidade; Teatro, 11).

CAEIRO, Olívio. Formas da ‘narrativa enquadrada’ na novela alemã do realismo poético. Língua e Literatura. São Paulo, v. 2, p. 235-256, 1973.

CARDINAL, R. O expressionismo. Trad. Cristina Barczinski. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

CAVALCANTI, Cláudia. A literatura expressionista alemã. São Paulo: Ática, 1995. (Princípios, 244).

DIAS, Maria Heloísa Martins. A estética expressionista. Cotia: Íbis, 1999.

FURNESS, R. S. Expressionismo. Trad. Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: Perspectiva, 1990. (Elos, 46).

GUINSBURG, Jacó (Org.). O romantismo. São Paulo: Perspectiva, 1978. (Coleção Stylus).

HEISE, Eloá, RÖHL, Ruth. O romantismo alemão como marco da modernidade. Projekt - APPA. São Paulo, v. 4, p. 31-39, jan. 1989.

KESTLER, Izabela Maria Furtado. Exílio no Brasil de escritores e intelectuais de fala alemã e a literatura do exílio de Ulrich Becher e Hugo Simon. Pandaemonium Germanicum. São Paulo (USP), v. 3, p. 109-126, 1999.

___. Exílio e literatura: Escritores de fala alemã durante a época do nazismo. Tradução de Karola Zimber. São Paulo: Edusp, 2003. (Ensaios de Cultura, 22).

___. A literatura em língua alemã e o período do exílio (1933-1945): a produção literária, a experiência do exílio e a presença de exilados de fala alemã no Brasil. Itinerários. Araraquara (UNESP), v. 23 (Literatura e História 2), p. 115-136, 2005.

MAAS, Wilma Patrícia Marzari. Ironia e performance no primeiro romantismo alemão. Artefilosofia. Ouro Preto, v.4, p.166-174, jan. 2008.

MOURA, Magali dos Santos. A liberdade entre a emoção e a razão. Aspectos da literatura alemã da Aufklärung e do Sturm und Drang. Forum Deustch - Revista Brasileira de Estudos Germanísticos, Rio de Janeiro, v. 11, p. 145-157, 2007.

___. O todo e o fragmento: interseções entre o Classicismo de Weimar e o Romantismo de Jena. Forum Deustch - Revista Brasileira de Estudos Germanísticos. Rio de Janeiro, v. 6, p. 52-67, 2002.

RÖHL, Ruth. Teatro expressionista. Pandæmonium germanicum; Revista de estudos germânicos. São Paulo (USP), v. 1, p. 21-26, 1997.

SOUSA, Celeste H. M. Ribeiro de. Do cá e do lá: Introdução à imagologia. São Paulo, Associação Editorial Humanitas, 2004.

___. Retratos do Brasil: Hetero-imagens literárias alemãs. São Paulo, Editora Arte & Cultura, 1996

SÜSSEKIND, Pedro. Shakespeare - o gênio original. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

TRINGALI, Dante. Escolas literárias. São Paulo: Musa Ed., 1994. (Os Manuais, 1).

VOLOBUEF, Karin. Frestas e arestas: A prosa de ficção do romantismo na Alemanha e no Brasil. São Paulo: Edunesp, 1999. (Coleção Prismas).

WELLEK, René. História da crítica moderna 2 (O Romantismo). Trad. Lívio Xavier. São Paulo: Editora Herder / Edusp, 1967.

 

Voltar à Página de Bibliografia sobre Literatura, Língua e História Alemã

 

Voltar à Página Inicial